segunda-feira, 10 de agosto de 2015

O Pequeno Príncipe e a Arte de Cativar


Cativar segundo o dicionário significa impressionar uma pessoa (ou várias) com seu caráter ou jeito de ser, agir ou falar. Isso mesmo, impressionar com o caráter ou jeito de ser. Entretanto, parece-me que esse verbo está ficando obsoleto. Talvez, eu esteja errado, mas me consolo, ao saber que uma das figuras mais sábias da literatura divide a mesma opinião.

Em um mundo cada vez mais dinâmico, em que as pessoas estão sempre com pressa, perder tempo com alguém não faz parte do cardápio. A modernidade líquida com a sua fluidez apresenta um problema no que tange às relações humanas, qual seja, a dificuldade em criar laços.

Essa dificuldade foi percebida como muita sensibilidade por Saint-Exupéry, no seu magnífico (foi difícil escolher a palavra) “O Pequeno Príncipe”. Na obra, lá pela parte XXI, o principezinho encontra uma raposa, a qual lhe transmite ensinamentos sobre a arte de cativar.
“[...] Que quer dizer “cativar”? É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa criar laços.”
Cativar é uma arte que realmente está esquecida. Não queremos perder tempo com ninguém, logo não buscamos criar laços. Pelo contrário, temos necessidades de relações com facilidade em desconectar (já se perguntou por que o facebook faz tanto sucesso?). Construir laços é muito trabalhoso e leva tempo. E tempo é o que não temos no mundo líquido.

Por que devo perder tempo cativando alguém, isto é, construindo laços, se posso a cada dia ter novos “amigos”? A conta é simples – quando enjoo de alguns, troco por outros – e o melhor: a conta sempre bate. Os adultos são especialistas em fazer contas, talvez, por isso se adaptem tanto a esses relacionamentos.

A resposta à pergunta supracitada pode ser respondida por qualquer indivíduo minimamente honesto, pois esses relacionamentos podem garantir até alguma coisa, mas, amizade não é uma delas.

Para ser amigo de alguém é preciso saber cativar, e para cativar é preciso perder tempo. Criar laços é como construir uma ponte, uma vez que, se não estiver bem feita, nos faz cair. Criar laços é fazer de alguém simples, uma pessoa especial; de um em meio à multidão, a multidão em meio a um. Ou seja, é trabalhoso e ultimamente tenho a impressão de que as pessoas não gostam de sujar as mãos.

Talvez, ainda não tenham compreendido o que é cativar. Sendo assim, retiro-me para que uma amiga mais sábia que eu possa falar:
“Exatamente, disse a raposa. Tu não és nada ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim o único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...”
Ah! Agora, talvez tenham compreendido a importância de criar laços. É somente quando criamos laços que nos tornamos únicos para o outro. Só, quando nós cativamos o outro, nos tornamos importantes para ele, pois só carregamos dentro de nós aquilo que não encontramos em nenhum outro lugar.

Cativar é um verbo que tem como complemento direito alguém, quem em meio a tantos se tornou único. E não há como ser único estando sempre com pressa, de modo que não esteja presente para dar um abraço ou decifrar os enigmas de um longo olhar. Também, não há como comprar um amigo em lojas ou sites de vendas. É preciso saber perder tempo para ter amigos.
“Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me.”
Perder tempo com alguém, como isso nos assusta. Aliás, a própria expressão “perder tempo” é controversa, pois não perdemos nada estando com alguém, pelo contrário, ganhamos. Entretanto, por medo ou conveniência (ou os dois) esquecemos o significado de cativar.

A bem da verdade, criar laços não é fácil, como já disse, e exige além de esforço, paciência. Paciência para esperar o cimento que mantém os tecidos coesos secar. Paciência para compreender os mistérios que permeia o outro. Paciência para conhecer, uma vez que:
“A gente só conhece bem as coisas que cativou.”
Como não andamos com muita paciência, logo, não cativamos e como não cativamos, não conhecemos ninguém de verdade. Contentamos-nos em passar pela vida conhecendo apenas representações. Muito preocupados em aparecer, esquecemos como é bom ser importante para alguém, pois quando somos importantes, ainda que deixemos de existir, continuamos existindo no outro.

Existindo em função dos laços que criamos, das horas “perdidas” cativando. Existindo em cada pedacinho que respira. Existindo em cada nó que forma o laço. E como nós são pequenos, dificilmente os veremos com os olhos, mas é um erro procurá-los com os olhos, pois:
“[...] só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.”

10 comentários:

  1. Mônica Simões Rocha23 de setembro de 2015 04:37

    Expressar sentimentos expõe demais e dá medo causa lvergonha demostrar as fragilidades gera insegurança a escolha muitas vezes acaba sendo esconder o que a alma aflita deseja sufocando os sofrimentos verdadeiros expondo somente uma irritação e impaciência de lidar c a dor do outro, já que não assume a própria dor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, vivemos na era da pele morta dos sentimentos.

      Excluir
  2. Que boa sua análise! Parabéns! Necessitamos de alguém que resgate o Pequeno Príncipe em seu lugar literário, em sua interpretação literária, porque em tempos de internet, alguns desavisados querem se sobrepor a uma obra de tamanha relevância para se projetar fazendo críticas a Saint-Exupéry.

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente as relações humanas atuais, estão cada vez mais frágeis, fluídas, volúveis e velozes. "Cativar, significa criar laços" e para criar laços é preciso dedicar tempo, atenção... Que tal seguirmos as orientações da raposa?!
    Parabéns Erick pelo texto, muito bom!

    (Percebi que você, como eu, é um admirador do lúcido, genial e coerente, Baumam)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Pri! O que seria a vida sem o lúdico?
      Abraços!

      Excluir
    2. Erick, sem o lúdico a vida certamente perderia parte do encanto.

      Te senti perto de mim por compartilhar pensamentos semelhantes aos seus, através dos seus textos, e agora vi que estamos perto também geograficamente, somos conterrâneos. Que massa! :)
      Abraços!

      Excluir
    3. É sempre bom topar com pessoas que ainda sabem voar.
      Axé! ;)

      Excluir